©2019  |  eLeve-se.life  | 

  • Preto Ícone Instagram

    AYURVEDA, LAYA YOGA E T.R.E. PASSAM A INTEGRAR POLÍTICA DE SAÚDE EM BRASÍLIA

    Atualizado: 17 de Jul de 2019


    Ótima notícia para quem usa o Sistema Único de Saúde (SUS) no Distrito Federal e quer se cuidar também por meio de terapias integrativas e complementares! Nesta última sexta-feira (7/6), a Secretaria de Saúde do DF publicou portaria no Diário Oficial incluindo oficialmente Ayurveda, Laya Yoga e T.R.E. (Técnica de Redução de Estresse) na Política Distrital de Práticas Integrativas em Saúde (PDPIS).


    A medida está garantida pela Portaria 371. Com isso, passam a ser oferecidas 17 práticas terapêuticas na rede pública de saúde de Brasília: Acupuntura, Arteterapia, Automassagem, Fitoterapia, Hatha Yoga, Homeopatia, Lian Gong, Medicina e Terapias Antroposóficas, Meditação, Musicoterapia, Reiki, Shantala, Tai Chi Chuan e Terapia Comunitária Integrativa, além de Ayurveda, Laya Yoga e T.R.E.

    “Os cinco anos da Política Distrital de Práticas Integrativas em Saúde trouxeram avanços significativos para a qualificação do acesso e da resolutividade na Rede de Atenção à Saúde e para promover o autocuidado dos usuários do sistema”, avalia o secretário de saúde do Distrito Federal, Osnei Okumoto. “Ao longo destes anos, foram realizadas capacitações para servidores e difundidas as 14 (primeiras) práticas em diversos contextos e níveis de atenção em saúde”, acrescenta o secretário.


    FACILITADORES - A Portaria 371 ainda prevê carga horária de 20 horas para os terapeutas de Ayurveda, Laya Yoga e T.R.E. que já trabalham ou passarem a atuar na rede pública de saúde. “As três práticas incluídas por esta portaria (371) já vêm sendo multiplicadas na rede através de capacitações de novos servidores”, afirma Okumoto.

    Procurada pelo eLeve-se, a Secretaria de Saúde do DF explicou ao site que a Gerência de Práticas Integrativas em Saúde (Gerpis) analisará currículos e fará entrevistas com servidores que poderão atuar como facilitadores das terapias abrangidas pela Política Distrital de Práticas Integrativas em Saúde. "Quem não é servidor da Secretaria de Saúde também poderá participar. Basta fazer cadastro como voluntário e apresentar currículo, que será analisado pela Gerpis", informou o órgão. "Os interessados devem procurar as Coordenações de Práticas Integrativas nas Unidades Básicas de Saúde", completou.


    O reconhecimento, a incorporação, a regulamentação e o fortalecimento das chamadas “Medicinas Tradicionais e Complementares” nos sistemas de saúde são preconizados pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Atendendo a esta orientação, o Ministério da Saúde do Brasil estabeleceu, em 2006, a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no âmbito do SUS, em todo o país.


    AS PRÁTICAS TERAPÊUTICAS:

    AYURVEDA – Originário na Índia, o Ayurveda é um sistema de saúde integral reconhecido tanto pela OMS quanto pelo Ministério da Saúde. A prática é entendida de forma ampla e holística e abrange procedimentos para a prevenção de doenças, preservação da saúde e promoção da longevidade por meio da integração corpo-mente-natureza. O Ayurveda enxerga o ser humano de forma completa e inteira assim como os processos da doença, que são uma resposta a toda uma interação de hábitos de vida, características natas herdadas e o meio onde a pessoa vive. A prática orienta para estilos de vida saudável, alimentação natural e prática de yoga e meditação. Com mais de cinco mil anos de experiências, o Ayurveda caracteriza-se por ser transdisciplinar, demonstrado ser um eficaz recurso disponível para a atenção em saúde, extensivamente documentado e validado cientificamente.
    LAYA YOGA – É uma técnica de relaxamento profundo, muscular e nervoso, que promove restauração física, emocional e mental, reequilibrando o sistema nervoso e estabelecendo a harmonia e o equilíbrio psicoenergético. A Laya Yoga atua diretamente nas emoções. É considerado o yoga da dissolução dos condicionamentos e das experiências negativas registradas no inconsciente, que sobrecarregam o sistema emocional, podendo ocasionar desequilíbrios diversos. Entre os principais benefícios da prática, destaca-se o alívio de quadros como ansiedade, depressão, nervosismo, angústia, medos, insônia, fibromialgia, síndrome de pânico, síndrome de Burnout e outras doenças psicossomáticas.
    T.R.E. – Técnica desenvolvida por David Berceli, PhD pela Universidade do Arizona (EUA), a Tension and Trauma Releasing Exercises (T.R.E.) é constituída por uma sequência de exercícios e posturas que ativam tremores espontâneos no corpo. Estes tremores promovem uma descarga neuromuscular dos níveis de ativação do sistema nervoso, relaxando o corpo e aliviando sintomas relacionados a estresse, violência e outras formas de sobrecarga emocional. Os tremores são um recurso fisiológico natural para trazer o sistema nervoso de volta a um estado de equilíbrio. Quando praticada com regularidade, a T.R.E. ajuda a regular o organismo, aliviando sintomas psicoemocionais, reduzindo o estresse, equilibrando o sono, aumentando a vitalidade, melhorando a qualidade de vida, promovendo saúde física e mental e ajudando a prevenir diferentes transtornos mentais. A TRE é praticada em mais de 60 países. Em alguns deles, a técnica é aplicada em situações de grande vulnerabilidade social e trauma coletivo, como catástrofes naturais, guerras civis e em campos de refugiados.


    ONDE AS PRÁTICAS SÃO OFERECIDAS EM BRASÍLIA:


    • LAYA YOGA

    Asa Norte

    · Sede da Secretaria de Saúde/ADMC – STN BL A : terças e quintas-feiras, às 15h20


    Planaltina

    · Loja Maçônica 7 de setembro - em frente ao CERPIS: terças-feiras, às 15h

    · Tenda da Unidade Básica de Saúde (UBS)/CERPIS – AV. WL 4, Setor Hospitalar Oeste-Área Especial: quintas-feiras, às 15h45


    Ao site eLeve-se, a Secretaria de Saúde do DF adiantou que "no Plano Plurianual há projetos para implementação de um Centro de Práticas Integrativas Referência, como a unidade que já existe em Planaltina".  



    • T.R.E.

    Brazlândia

    · Unidade Básica de Saúde (UBS) 1: quartas-feiras, às 15h

    · UBS 2: sextas-feiras, às 7h30

    · Salão da Igreja Menino Jesus: quartas-feiras, às 8h30

    · UBS/INCRA 8: quintas-feiras, às 14h30

    · UBS/Almécegas 6: UBS Torre - terças-feiras, às 9h


    Ceilândia

    · UBS 3: sextas-feiras, às 7h30


    Asa Sul

    · Igreja São Camilo – 303/304 sul: terças-feiras, às 20h15 (conduzida por voluntários)



    De acordo com o Governo do Distrito Federal, servidores estão sendo capacitados para expandir esta prática, ainda este ano, para Planaltina, Gama, Recanto das Emas, São Sebastião, Samambaia, Sobradinho, Taguatinga e Vila Planalto.



    Serviço - Secretaria de Saúde do Distrito Federal

    - Contato: (61) 2017-1055

    - Endereço: Setor de Áreas Isoladas Norte - SAIN - Fim da Asa Norte, Bloco B (antigo prédio da Câmara Legislativa do DF)

    - Site: http://www.saude.df.gov.br/